CONSERVADORES VENCEM ELEIÇÃO NA CROÁCIA

Com 99 por cento dos votos apurados, a Coligaçã Patriótica – uma aliança opositora conservadora liderada pela União Democrática Croata (HDZ) – obteve 59 assentos de 151, superando por apenas três deputados a coligação no poder, liderada pelo actual primeiro-ministro Zoran Milanovic.

A aliança de centro-esquerda (“Croácia está a crescer”), de Milanovic, conquistaria 56 lugares.

A surpresa da eleição foi o Partido Most (ponte, em croata), com 19 parlamentares, e que será fundamental para formar o governo.

Dos 17 assentos restantes, oito correspondem às minorias nacionais e nove serão divididas entre os outros partidos.

O primeiro-ministro Milanovic, de 49 anos, convidou o partido Most ao diálogo para formar uma maioria governamental.

Mas durante a campanha eleitoral o Most garantiu que não faria aliança nem com a esquerda, nem com os conservadores, promessa repetida no domingo pelo líder do partido, Bozo Petrov.

Ao mesmo tempo, o líder da oposição Tomislav Karamarko, aclamado por seus seguidores, disse que o seu partido está “aberto à cooperação com todos os que desejam lutar por uma vida melhor na Croácia”.

Segundo a Constituição, o chefe de Estado designa o primeiro-ministro depois de consultar os partidos com representação no Parlamento e entre os deputados do partido que demonstrar ter obtido a maioria.

O surgimento do Most demonstra que os eleitores “não querem um sistema de dois partidos, nem uma direcção política que começa a formar um mundo à parte, longe do povo”, explicou o analista independente Davor Gjenero.

Para Milanovic, o surgimento da crise migratória em meados de Setembro, quando a Croácia viu 300.000 refugiados atravessarem o
seu território em direcção à Europa ocidental, acabou desviando o foco do governo da implementação de reformas indispensáveis para a reactivação da economia.

“O governo teve a sorte de ver como essa crise deixou em segundo plano o restante dos temas do debate eleitoral”, apontou Djenero.

O actual primeiro-ministro demonstrou empatia com os imigrantes, mas também firmeza com os países vizinhos, como a Hungria, que teve a sua decisão de fechar a fronteira condenada.

Outra crítica foi direccionada à Sérvia, por seu modo de administrar a crise, enquanto anunciava que a sua prioridade era proteger os investimentos nacionais da Croácia.

A oposição e o seu líder Tomislav Karamarko, que fizeram uma campanha eleitoral baseada principalmente na retórica nacionalista, também tentaram se concentrar na temática dos imigrantes, mas sem muito sucesso.

Em Zagreb, durante um evento eleitoral do SDP, os assistentes armados de bandeiras croatas mostraram-se preocupados com o futuro económico da ex-república Jugoslava.

As dificuldades económicas da Croácia perduram. O desemprego alcançou em Setembro 16,2 por cento da população activa e 43,1 por cento entre os jovens, enquanto que a dívida pública alcançou quase 90 por cento do PIB, o que faz da economia croata uma das mais pobres da União Europeia.

Embora o PIB tenha melhorado nos três primeiros trimestres de 2015, os analistas indicam que os dois principais candidatos nas eleições legislativas não ofereceram soluções concretas para reactivar de maneira eficaz a economia, nem para resolver o problema de uma administração ineficaz.

Veja também

Be the first to comment on "CONSERVADORES VENCEM ELEIÇÃO NA CROÁCIA"

Leave a comment

Your email address will not be published.


*