CPI trabalhará com provas e dará as respostas cobradas pela sociedade, diz Renan

Escolhido relator da CPI da Covid, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) disparou críticas ao ex-ministro Eduardo Pazuello (Saúde), atacou o negacionismo durante a pandemia e afirmou que culpados existem e devem ser punidos “emblematicamente”.

Renan Calheiros foi designado relator da comissão na manhã desta terça-feira (27) pelo presidente eleito, Omar Aziz (PSD-AM). A escolha se deu após um processo tumultuado, em que os aliados do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) chegaram a obter uma liminar judicial contra sua indicação, que acabou derrubada posteriormente.

O senador alagoano foi escolhido após articulação dos senadores independentes e de oposição, que formam o grupo majoritário da CPI. O chamado G6 reforçou em reunião na noite de segunda-feira (26) o acordo para que Aziz fosse o presidente, e Renan, o relator.

O relator da comissão é o responsável por construir a “narrativa” dos trabalhos. Seu relatório final será um compilado das apurações e pode, por exemplo, recomendar indiciamentos de autoridades. O texto, no entanto, precisa ser aprovado pelos membros da CPI.

Em entrevista coletiva concedida após a instalação da CPI da Pandemia, o relator, senador Renan Calheiros (MDB-AL), disse que:

— A CPI investiga se por ação, omissão, desídia ou irresponsabilidade alguém colaborou para que a matança avançasse. Vamos apurar, mas com critérios. Só valerão provas efetivas. Não vamos condenar por convicção ou fazer power points contra ninguém — reiterou, replicando que disse durante a reunião.

Documento da Casa Civil

Também durante a entrevista, o vice-presidente da CPI, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que o curso das investigações pode fazer com que a CPI solicite formalmente à Casa Civil o documento, cuja existência foi revelada pela imprensa no final de semana, em que são listadas 23 acusações que o governo deve sofrer no decorrer dos trabalhos.

— Foi uma contribuição importante do governo para ajudar nas investigações. Aponta alguns aspectos que estarão em nosso plano de trabalho, e a questão dos povos indígenas, que estava passando ao largo. O roteiro da Casa Civil é uma colaboração para as investigações, e talvez seja necessário e de bom tom solicitarmos oficialmente este roteiro — afirmou Randolfe.

Requerimentos

Também presente à coletiva, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), informou que na reunião de quinta-feira deverão ser aprovados os requerimentos para que sejam ouvidos os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello, além do atual, Marcelo Queiroga. Também deverão ser aprovados requerimentos com solicitação de informações ao governo. Aziz ainda destacou o caráter propositivo que, a seu ver, a CPI terá.

— Mais que apontar culpados, a sociedade espera soluções práticas para a vacinação, falta de oxigênio, de kits hospitalares, medicamentos, UTIs e EPIs. Esta CPI será diferente de todas que vocês já viram, porque pesquisas mostram que é a CPI que está praticamente na casa de todos os brasileiros — disse Aziz em referência à pandemia.   

Publicado por Diana Bueno com informações do Senado

LinkedIn
Share
Instagram
WhatsApp