Nomes para a disputa de 2022 em SP já estão em jogo

A um ano e meio das eleições, presidenciáveis em potencial despontam nacionalmente e, conforme o cerco se fecha, empurram nomes para a disputa pelo Governo de São Paulo, como ocorreu com Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (PSOL) —que figuram ao lado de ao menos dez postulantes.

O próprio governador João Doria (PSDB) já admitiu que pode concorrer à reeleição em 2022, e não ao Planalto, seu objetivo inicial, o que contribui para o congestionamento de candidatos para o Palácio dos Bandeirantes.

A fala do tucano, contudo, é vista entre aliados mais como um aceno para composições partidárias do que uma intenção de renovar o mandato. A prioridade de Doria continua ser candidato à Presidência e emplacar o atual vice, Rodrigo Garcia (DEM), em sua cadeira, de preferência filiado ao PSDB.

Foi na esquerda que o xadrez paulista teve as principais mudanças, motivadas pela reabilitação eleitoral do ex-presidente Lula (PT), em março. A decisão do STF (Supremo Tribunal Federal) favorável ao petista empurrou Haddad, então tido como o candidato da legenda, para fora do rol de presidenciáveis.

De toda forma, Haddad tem trabalhado nas duas frentes —mantém o discurso nacional de oposição ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), enquanto amplia a agenda política no estado.

“É um desejo do PT que ele seja candidato a governador em São Paulo. Acho que temos que construir uma frente democrática, reproduzir a aliança nacional”, afirma Jilmar Tatto, secretário de comunicação do PT.

Por enquanto, Haddad não tem dito se topa ou não a candidatura, mas o partido se animou com seu desempenho em pesquisas. “É precipitado lançar nomes”, diz o ex-prefeito à Folha.

As agendas do petista em São Paulo estavam marcadas desde antes da decisão do STF que devolveu a Lula o direito de se candidatar e faziam parte de um giro pelo país que ele havia começado em fevereiro, por Minas Gerais, e acabou interrompido pelo agravamento da pandemia.

Os compromissos pelo interior, no entanto, têm se intensificado. Foram ao menos seis entrevistas, além de encontros com religiosos e acadêmicos nas regiões de Campinas e Ribeirão Preto. A ideia é mobilizar as bases, falar das propostas do PT e diagnosticar os problemas de cada região do estado.

Nos encontros, Haddad prega a necessidade de uma frente progressista para que haja alternância de poder em São Paulo, estado dominado pelo PSDB.

O discurso de desgaste dos tucanos e cansaço dos eleitores com o partido também é usado por Boulos, que chegou ao segundo turno na eleição para a Prefeitura de São Paulo no ano passado e se cacifou para uma nova campanha à Presidência (a primeira foi em 2018).

Neste mês, porém, ele anunciou em entrevista à Folha que está disposto a concorrer a governador. O psolista, que após a derrota em 2020 afirmou que iria trabalhar pela união da esquerda contra Bolsonaro , prefere evitar um enfrentamento com Lula, de quem é amigo.

Alas do PSOL defendem, contudo, que o partido tenha candidato próprio ao Planalto, como faz desde sua fundação, em 2004.

“A eleição pode ser discutida, mas não pode ser prioridade agora, com milhares de mortes diárias e tantos desafios. O que fiz foi colocar meu nome à disposição para governador, porque acredito que há uma janela de oportunidade para derrotar o ‘Tucanistão’, a hegemonia do PSDB no estado”, diz Boulos.

O líder de movimentos de moradia afirma que tem costurado uma frente do campo progressista e vê na coalizão a única forma de fazer frente ao aparato tucano. Ele nega, no entanto, que sua pré-candidatura seja uma forma de pressionar por apoio do PT em troca do endosso do PSOL a Lula.

“A relação política não se dá nesses termos. O que tenho dito é que a unidade exige gestos de parte a parte e reciprocidade, além de discussão programática e visão estratégica”, afirma Boulos, que também tem estreitado laços com líderes políticos e sociais no interior do estado, onde é menos conhecido.

Membros do PT veem possibilidade de uma aliança com o PSOL no estado, embora uma chapa específica com Haddad e Boulos seja considerada improvável.

Há rivalidade eleitoral entre partidos aliados também em relação a Doria e Garcia. O PSDB já convidou o vice a se filiar, e tucanos próximos do governador acreditam que ele fará a migração. Por outro lado, Garcia é pressionado pelo DEM a ficar e pondera os efeitos da imagem desgastada do PSDB.

A filiação resolveria a demanda dos tucanos por um candidato próprio no estado que governam, com breves interrupções, desde 1995. Procurado pela reportagem, Garcia não se manifestou.

“Rodrigo Garcia tem mais de 30 anos de trabalho junto com os governos do PSDB e é parte da nossa história”, afirma Marco Vinholi, presidente do PSDB paulista. “Ele tem no seu DNA os nossos princípios e valores. Será fundamental para o futuro do partido que o governador João Doria tanto tem construído.”

O ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), porém, mantém conversas e giros pelo interior com a intenção de viabilizar sua candidatura ao Palácio dos Bandeirantes, que ocupou por cerca de 12 anos.

No PSDB, porém, Alckmin poderia ter que brigar por espaço com Garcia —o grupo de Doria o quer como candidato ao Senado. A candidatura do ex-governador via PSDB está atrelada ao acerto nacional em torno de Doria e do DEM.

Por isso, interlocutores de Alckmin já se movimentam em torno de um plano B, como a filiação dele ao PSL ou ao PSB, além de aproximação com o PSD, de Gilberto Kassab.

“O PSDB é a prioridade tanto para o Geraldo quanto para o grupo dele. Pela história, porque ele foi fundador [da legenda]. Mas o Geraldo será candidato, seja pelo PSDB ou outro partido”, diz o ex-deputado estadual Pedro Tobias, articulador de Alckmin.

Segundo Tobias, a militância é que vai definir se há espaço para o ex-governador no PSDB. O ideal, de acordo com ele, seria repetir a chapa do pleito de 2014, com o também ex-governador Márcio França (PSB) de vice. “A eleição estaria ganha”, diz.

França tem feito esforços para atrair Alckmin para o PSB e vê com entusiasmo a repetição da parceria. Ao mesmo tempo, ele —que chegou ao segundo turno contra Doria em 2018 e disputou a prefeitura da capital em 2020, terminando em terceiro lugar— abriu um canal de diálogo com o PT.

“Essa dobradinha com o Geraldo é muito competitiva. Sou forte na capital, Grande São Paulo, ABC e Baixada [Santista], e ele é muito querido no interior”, valoriza França. “Qualquer decisão vai ser tomada em acordo com a orientação do meu partido no plano nacional”, diz o dirigente do PSB.

Procurado, Alckmin não se manifestou.

The following two tabs change content below.
LinkedIn
Share
Instagram
WhatsApp