Câmara de São Paulo vai barrar vereadores sem comprovante de vacina contra Covid

Na primeira sessão legislativa de 2022, o presidente da Câmara Municipal de São Paulo, Milton Leite (DEM), avisou que os vereadores e funcionários que não apresentarem o comprovante de vacinação contra a Covid-19 serão proibidos de entrar na Casa. Eles também serão punidos com o corte do ponto.

A medida será informada aos servidores nesta quarta-feira (2), e eles terão o prazo de 24 horas para apresentar a carteira de vacina atualizada.

Segundo Leite, cerca de 50 funcionários não apresentaram o documento até nesta terça (1º). A Câmara reúne 2.000 servidores.

“Até hoje a mesa não puniu cortando seus pontos, não há mais essa possibilidade. Se não apresentar a carteira, eu vou cortar o ponto até que leve à demissão. Acabou o meu limite de tolerância”, disse Leite.

Após o discurso no plenário, Leite foi questionado se a obrigação deverá valer para os vereadores. O presidente respondeu que “sim”.

A assessoria de imprensa da Câmara também confirmou a aplicação da medida para os vereadores.

Leite diz ter tomado a decisão em meio à propagação de casos com a variante ômicron, que responde pela maioria dos casos de contaminação da Covid-19.

Além de barrar vereadores e servidores, Leite anunciou outras medidas restritivas, como a redução de funcionários e do público em 20% nas galerias e auditórios –antes era de 50%.

Cada um dos 55 vereadores poderá receber apenas quatro funcionários e quatro visitantes em seu gabinete por turno de trabalho.

A visitação em espaços públicos dentro da Câmara, como a biblioteca, continua suspensa.

A primeira sessão deveria contar com a presença do prefeito Ricardo Nunes (MDB), que cancelou a visita após o acidente nas obras do metrô.

Da Redação

Prefeitos & Governantes

LinkedIn
Share
Instagram
WhatsApp