Pacheco pede ajuda da ONU e da comunidade internacional

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), enviou um ofício ao secretário-geral da ONU (Organização das Nações Unidas), António Guterres, pedindo apoio do órgão e de outros países para acelerar a vacinação contra a covid-19 no Brasil.

O documento foi enviado nesta 5ª feira (1.abr.2021). 

Junto ao ofício, foi encaminhada a “moção de apelo à comunidade internacional”aprovada pelos senadores em 23 de março.

Pacheco afirma que o país é o epicentro da pandemia e que a situação é “dramática”. Pede a Guterres que a ONU ajuste o cronograma de entrega de vacinas pelo consórcio Covax Facility.

Covax Facility é uma aliança global, com mais de 150 países. Ela foi criada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para incentivar o desenvolvimento e a distribuição de vacinas. O acordo com o Brasil é para a entrega de 42,5 milhões de doses, um investimento de R$ 2,5 bilhões.

O senador afirmou que as doses recebidas por meio do consórcio são “insuficientes” para reverter a situação da pandemia e evitar riscos a outros países. Citou o recebimento de 1.022.400 de doses do imunizante da AstraZeneca, no domingo (21.mar), e um 2º lote, de 1,9 milhão de doses, que acabou não chegando ao país.

Ele argumentou que existem “obstáculos consideráveis” ao programa de imunização: os cronogramas de entregas e a quantidade reduzida de doses das vacinas produzidas no exterior, e a dependência de importação do IFA (insumo farmacêutico ativo) para produção interna dos imunizantes.

Pacheco disse que o surto de contágios no Brasil não tem como ser contido “no perímetro das fronteiras nacionais”. Afirmou que é preciso apoio da comunidade internacional para evitar surgimento de novas variantes do vírus.

“O sistema de saúde encontra-se no limite de suas capacidades. Começam a faltar insumos hospitalares essenciais, leitos de UTI e até mesmo oxigênio e medicação para pacientes em situação crítica”, afirmou.

Pacheco comparou os recentes números de mortes diárias pela covid no Brasil com as vítimas do ataque às torres gêmeas do World Trade Center, no Estados Unidos, em setembro de 2001. Cerca de 3.000 pessoas morreram na atentado.

“Move-nos o imperativo de conter a crise em seu epicentro, antes que cause danos irreparáveis à população brasileira e se propague para além das fronteira nacionais”, disse.

Ao final da carta, Pacheco convidou o secretário-geral da ONU a participar, como convidado especial, de uma sessão virtual do Congresso Nacional, para expor as propostas da ONU voltadas a crise.

The following two tabs change content below.
LinkedIn
Share
Instagram
WhatsApp