Uma mulher foi morta a cada dois dias em SP

Uma mulher foi morta a cada dois dias em SP por feminicídio em 2020
Thais Alves era mãe de três filhos. Márcia Aparecida Mariano trabalhava como professora. Daice da Silva Mata tinha 68 anos e seguia a quarentena à risca. As três tiveram suas vidas, sonhos e planos interrompidos ao se tornarem vítimas de feminicídios durante a quarentena no estado de São Paulo no ano passado. O ano de 2020 registrou 179 mortes de mulheres no contexto de violência doméstica ou um caso a cada dois dias. O número apresenta uma queda de 3% em relação a 2019, mas, no primeiro semestre, o indicativo era de alta: foram 88 casos em 2020 contra 85 no ano anterior.
O início do isolamento social impulsionou o aumento no número de feminicídios no primeiro semestre, segundo especialistas consultadas por Universa, com maior número de registros em abril, 21, cinco a mais do que o mesmo mês em 2019. A partir de julho, os índices começaram a cair. “Abril foi realmente um mês atípico porque teve um aumento de 31% nos casos, isso nos preocupou bastante”, afirma Jamila Jorge Ferrari. coordenadora das delegacias da mulher do Estado de São Paulo. “Acendeu o alerta. Começamos a pensar em ferramentas para que esse isolamento não gerasse mais morte ou fosse pior para as mulheres que tinham que ficar, obrigatoriamente, em casa com seus agressores.
Jamila destaca a criação da delegacia da mulher eletrônica, em que é possível registrar uma denúncia de violência doméstica pela internet. Mas salienta que a atenção dada ao tema por parte da sociedade como um todo, incluindo ONGs e imprensa, pode ter sido essencial para contenção dos casos. “Foi dada muita importância ao assunto para mostrar que era algo relevante, e porque já havia acontecido em outros lugares do mundo esse aumento de violência contra mulher e, consequentemente, do feminicídio.” 2020 foi primeiro ano de queda nos casos desde criação da lei Desde a criação da Lei do Feminicídio, em 2015, o estado de São Paulo apresentava aumento gradativo nos registros.
O Ligue 180 recebe denúncias, dá orientação de especialistas e encaminhamento para serviços de proteção e auxílio psicológico. Também é possível acionar esse serviço pelo Whatsapp. Nesse caso, acesse o (61) 99656-5008.
Fonte: UNIVERSA

The following two tabs change content below.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

LinkedIn
Share
Instagram
WhatsApp