BRDE terá R$ 515 milhões para financiar projetos em cidades sob risco de desastres naturais

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e o Banco Mundial (BIRD) celebraram,  uma operação no valor de 89,6 milhões de euros (cerca de R$ 515 milhões pela cotação atual) para novos financiamentos na Região Sul do País. Através do programa Sul Resiliente, os recursos serão direcionados a projetos de qualificação da infraestrutura dos municípios para atenuar impactos de desastres naturais e riscos relacionados ao clima, como inundações e deslizamentos.

De acordo com o diretor de Planejamento do BRDE, Otomar Vivian, a contratação junto ao BIRD é resultado da política de diversificação das fontes de recursos, adotada nos últimos anos pelo banco, em especial com instituições internacionais. “Com isso, mesmo num período de desafios em termos de crédito, o BRDE consegue maior disponibilidade de linhas de financiamento, ampliando sua participação em projetos estratégicos ao desenvolvimento econômico e social”, destacou Vivian.

Além de investir em obras para evitar desastres naturais e eventos climáticos, os municípios poderão utilizar o dinheiro para a elaboração de projetos executivos, como mapeamento de riscos e planos de contingência, treinamento de servidores municipais ou aquisição de sistemas e equipamentos para monitoramento de riscos.

Necessidades dos municípios

A linha de crédito está disponível para todas as prefeituras do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná. Segundo o Banco Mundial, a rápida urbanização ocorrida nas últimas décadas, combinada com a falta de planejamento adequado, a prestação insuficiente de serviços e as mudanças climáticas, contribuíram para aumentar a exposição e a vulnerabilidade de pessoas e propriedades a riscos naturais e eventos extremos, como enchentes, inundações, deslizamentos de terra e tempestades, especialmente na Região Sul.

O programa tem por objetivo financiar projetos que visem à redução do impacto social e econômico de futuros desastres naturais e eventos climáticos extremos no sul do Brasil, especialmente para as populações mais vulneráveis. Além disso, a realização dos investimentos permitirá redução do impacto fiscal desses eventos nos orçamentos municipais.

A redução da exposição e vulnerabilidade da população e das propriedades aos desastres naturais e eventos climáticos extremos nos municípios selecionados estão entre alguns dos resultados esperados pelo projeto, assim como o fortalecimento da capacidade de promoção da resiliência urbana.

Recentemente, o BRDE celebrou outras duas operações com aval da União. Junto ao Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), a operação para novos financiamentos chegou a 134,64 milhões de euros (cerca de R$ 770 milhões), enquanto que a contratação com Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) foi de US$ 150 milhões (cerca de R$ 790 milhões).

Da Redação

Fonte: UOL

Início